UPE marca presença no 68º Fórum Nacional de Reitoras e Reitores da Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem)

A Reitora da Universidade de Pernambuco, Profa. Socorro Cavalcanti marcou presença, entre os dias 30 de novembro e 03 de dezembro, no 68º Fórum Nacional de Reitoras e Reitores da Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem). O evento ocorreu em Curitiba, no Auditório Mario Schoemberge, do campus de Curitiba I/Embap da a Universidade Estadual do Paraná (Unespar) e reuniu mais 70 representantes de Universidades de todo o Brasil, para debater os rumos do ensino superior público e gratuito.

A presença da UPE no evento foi significativa. O professor Fernando Buarque ministrou uma aula na sexta-feira (2/12) sobre “Metodologia de Ensino: Sala de Aula Aberta – SSA”. Já o ex-aluno da instituição Roger Vinícius apresentou o Plano Nacional Anísio Teixeira, proposta da Associação Nacional dos Pós-Graduandos para a reconstrução do Brasil a partir da vaporização da ciência nacional. 

Leia mais...

SSA 3: tema da redação abordou comunicação, fake news, manipulação de dados e conhecimento científico

A Comissão Permanente de Concursos Acadêmicos da Universidade de Pernambuco (CPCA/UPE) divulgou a proposta do tema da redação do Sistema Seriado de Avaliação SSA – 3ª fase, cujo primeiro dia de provas acontece na manhã deste domingo (4/12).

O tema escolhido para os 13.159 candidatos inscritos foi: “Fato, fake news, manipulação de dados e receptividade do conhecimento científico: como funcionam a informação e a comunicação na sociedade moderna?”

No ano passado, o tema da redação do SSA 3 da UPE foi: "O caminho para ampliar e construir o conhecimento se faz com pesquisa científica".

TEMA DA REDAÇÃO SSA3 2023

UPE realiza provas do SSA3 neste domingo (4) e segunda-feira (5)

 

 

Neste domingo (4) e segunda (5) acontecem as provas do SSA 3. De acordo com o Manual, o candidato deverá comparecer ao local no dia e horário estabelecidos para a aplicação da prova com antecedência mínima de uma hora do horário fixado para o seu início, munido do Cartão Informativo, Documento de Identidade e de caneta esferográfica na cor azul ou preta.

Os testes vão começar às 8h15 e terminarão às 12h45. Os portões abrem às 7h e fecharão às 8h, não sendo permitida a entrada após esse horário. 

Para esta edição, 13.159 candidatos se inscreveram para a terceira fase do SSA, concorrendo a 1.800 vagas de 54 cursos de graduação em 11 campi da UPE, distribuídas nas regiões Metropolitana do Recife, Mata Norte, Agreste e Sertão. A UPE terá ainda 1.800 vagas oferecidas para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do Ministério da Educação (MEC).

No domingo (04), haverá provas de redação e português (12 questões), matemática (12 questões), língua estrangeira (inglês ou espanhol, com 10 quesitos) e filosofia (8 quesitos). No total, a parte objetiva terá 42 questões de múltipla escolha.

Na segunda-feira (05), serão 58 questões distribuídas entre as disciplinas de biologia, química, física, história, geografia e sociologia. Somente sociologia terá 8 questões. As demais são com 10 quesitos cada.

A previsão para divulgação da terceira fase será até o dia 23 de fevereiro de 2023.

COVID-19 - O uso de máscaras de proteção contra a covid-19, nos locais de provas, será opcional. A comissão do vestibular da UPE não vai obrigar o vestibulando a estar com a proteção no rosto. 

CELULAR E CARTÃO DE INSCRIÇÃO -  Os estudantes poderão levar telefone celular para os locais de provas. A regra vale para o SSA 3 e também para as demais fases, SSA 1 e SSA 2. Mas os candidatos deverão deixar o aparelho desligado dentro de um porta objetos que será fornecido pelos fiscais.

Já os cartões de inscrição podem ser levados em aparelhos eletrônicos, não precisa ser físico, já que será permitido o acesso aos prédios com celulares e tablets. Documentos de identificação, outro item de apresentação obrigatório, igualmente poderá ser mostrado no formato digital.

 

PLANTÃO – A Comissão Permanente de Concursos Acadêmicos da UPE comunica que neste sábado (04/12), no horário das 8h às 16h, estará de plantão para atendimento presencial aos casos especiais e urgências (para os candidatos comunicarem acidentes e doenças).

 Outras informações através dos telefones: (81) 3183-3660 / 3791, no e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou ainda no endereço eletrônico: http://processodeingresso.upe.pe.gov.br.

 

Pesquisadores da UPE lideram estudo do Consórcio Brasileiro de Coortes de Gestantes com Zika e o impacto sobre os bebês

Com participação da Fiocruz e mais 25 instituições, o Consórcio sobre o vírus zika revela que cerca de 1/3 dos filhos de mães infectadas na gravidez apresentaram anormalidades relacionadas à doença

Uma colaboração nacional, formada por pesquisadores da Fiocruz e de outras 25 instituições do Brasil agrupados no Consórcio Brasileiro de Coortes relacionadas ao vírus Zika (ZBC Consortium), com apoio da London SchoolofHygiene& Tropical Medicine (LSHTM), avaliou os impactos da infecção de gestantes por Zika na saúde dos bebês.Publicado no The Lancet Regional Health - Americas nesta última segunda-feira (28), o estudo revelou que aproximadamente um terço dos filhos de mães infectadas durante a gravidez apresentaram, nos primeiros anos de vida, anormalidades consistentes com a Síndrome da Zika Congênita (SZC).

Este é o estudo mais robusto e com maior número de crianças nascidas de gestantes infectadas pelo vírus Zikapublicado até o momento. A necessidade dessa avaliação surgiu após uma epidemia de microcefalia no Brasil em 2015, mas as amostras pequenas, a alta variabilidade entre as estimativas e a limitação dos dados de vigilância limitavam confiabilidade daestimativa do risco dessas manifestações que envolvem deficiências neurológicas funcionais, anormalidades de neuroimagem, alterações auditivas e visuais e microcefalia. Tais disfunções aparecem mais frequentemente de forma isolada do que em combinação, com menos de 0,1% das crianças expostas apresentando duas delas simultaneamente.

Os resultados foram encontrados a partir da análise combinada de dados de 13 estudos que investigam os resultados pediátricos em gestações afetadas pelo vírus Zika durante a epidemia de 2015-2017 no Brasil. Ao todo, participaram da pesquisa 1.548 gestantes de 13 coortes do Zika BrazilianCohorts Consortium. Esses dados abrangem todas as quatro regiões do Brasil afetadas pela epidemia neste período, com infecção pré-natal confirmada em laboratório por testes genéticos e avaliação dos potenciais efeitos adversos em nível individua.

“Esse trabalho dá uma contribuição fundamental para a compreensão das consequências para a saúde da infecção pelo vírus Zika durante a gravidez. Ele reúne dados individuais de crianças nascidas de 1.548 gestantes residentes em diferentes regiões do país que tiveram o diagnóstico confirmado de infecção pelo vírus Zika durante a gravidez, permitindo uma estimativa mais precisa dos riscos. Saliente-se ainda que, além da contribuição em termos de conhecimento, esse estudo traduz a competência dos pesquisadores brasileiros e das instituições públicas para responder aos desafios científicos, tendo os mesmos se organizado primeiro em suas instituições de origem e, em seguida, conjuntamente, criando o Consórcio Brasileiro de Coortes relacionadas ao Zika vírus, destacou o pesquisador Ricardo Arraes de Alencar Ximenes, da Universidade de Pernambuco e da Universidade Federal de Pernambuco, que liderou o estudo.

Em relação à microcefalia, condição neurológica em que a cabeça do bebê é menor do que o esperado para sua idade e sexo, uma a cada 25 crianças nascidas de mães infectadas pelo vírus Zika durante a gravidez apresentou a disfunção no nascimento ou durante o acompanhamento. Na maioria dos casos, a condição era detectável próximo ao momento do nascimento, mas algumas crianças nascidas com perímetro cefálico normal desenvolveram a microcefalia nos anos seguintes. O risco de filhos de mães infectadas por Zika na gestação apresentarem microcefalia foi de 2,6% no nascimento ou quando avaliados pela primeira vez, aumentando para 4,0% nos primeiros anos pré-escolares. Esse risco foi relativamente consistente nos diferentes locais de estudo, sem apresentar variação relativa às condições socioeconômicas ou área geográfica.

Na Fiocruz, cinco institutos contribuíram para a pesquisa: o Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF) e o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), no Rio de Janeiro (RJ); o Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), em Manaus (AM); o Instituto Aggeu Magalhães (IAM/Fiocruz Pernambuco), em Recife (PE) e o Instituto Gonçalo Moniz (IGM/Fiocruz Bahia), em Salvador (BA).

A pesquisadora Flor Ernestina Martinez-Espinosa, do ILMD/Fiocruz Amazônia, é co-autora sênior do estudo (ao lado de Patrícia Brasil, do INI/Fiocruz) e coordenou uma das coortes de gestantes expostas ao vírus Zika. O projeto em Manaus ocorreu a partir de uma parceria entre a Fiocruz e a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), instituição de referência para doenças infecciosas e parasitárias no estado do Amazonas que sedia dois laboratórios da Fiocruz Amazônia.

“Formamos um grupo inter e multidisciplinar que acompanhou mais de 800 mulheres que procuraram a FMT-HVD por apresentar doença exantemática e por se declararem gestantes, sendo, portanto, notificadas como casos suspeitos de vírus Zika na gestação.Esta população fez testes para confirmar os dois eventos (gravidez e infecção por Zika). Trezentos e vinte casos foram confirmados e 760 dos casos notificados foram acompanhados até o final da gestação. Atualmente, estamos fazendo a busca ativa das crianças expostas para analisar sua situação no quinto ano de vida”, disse Martinez-Espinosa.

“Crianças nascidas de mães infectadas devem ser submetidas a uma avaliação multidisciplinar no início da vida para diagnóstico e intervenção precoces de eventuais manifestações congênitas atribuídas ao vírus Zika”, diz o pesquisador Demócrito Miranda, da Universidade de Pernambuco, que divide a primeira autoria do artigo com o pesquisador Ricardo Ximenes.

A realização de estudos adicionais com tempo de acompanhamento mais longo é apontada pela equipe de pesquisadores como o futuro da pesquisa publicada nesta segunda. Os possíveis caminhos para investigação incluem a avaliação do risco de hospitalização e morte para crianças com microcefalia à medida que envelhecem e, naquelas sem microcefalia, averiguar os riscos de outras complicações, como aquelas ligadas ao desenvolvimento comportamental ou neuropsicomotor.

Confira o estudo aqui: https://authors.elsevier.com/sd/article/S2667-193X(22)00212-5